CUIDADOS NECESSÁRIOS PARA VIABILIZAR AS AULAS PRESENCIAIS DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

A Pandemia da COVID-19 ainda não acabou! Completamos mais de 20 meses e a perspectiva do fim ainda não se vislumbra. Estamos vivendo um contexto em que é preciso estar atento a alguns aspectos. Acesse o documento na íntegra: https://abrapee.files.wordpress.com/2021/10/retomadadasaulaspresenciais_abrapee.pdf

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

ALERTA! LEI 13.935/2019 EM PERIGO!

Desde que a Lei que insere profissionais da Psicologia e Serviço Social na educação básica foi sancionada, as entidades representativas das categorias, que lutaram por duas décadas pela aprovação da mesma, têm alertado sobre possíveis ameaças à aplicação da Lei. E três projetos de lei no Congresso colocam em risco a implementação da Lei 13.935/2019.

A gente reforça: lugar de psicólogos/as e assistentes sociais também é na educação básica, pelos direitos das crianças e adolescentes!

Confira nos cards por que a lei é tão importante para a sociedade e faça pressão em parlamentares do seu estado para evitar retrocessos!

Acesse: https://bit.ly/ApoioLei13935

#DefesaDaLei13935 #Lei13935noFundeb #Lei13935noFundebÉLegal

#descriçãodaimagem: cards amarelos têm conjunto de lápis coloridos e o texto central: Quais as contribuições da Psicologia e Serviço Social na educação básica? (Lei 13.935/2019). Abaixo logos das entidades e o site.

Fonte: Conselho Federal de Psicologia – CFP

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

“Em defesa da Lei 13.935/2019”

Encontram-se em tramitação no Congresso Nacional, três projetos que alteram o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), responsável pelos recursos para a contratação de profissionais da Psicologia e do Serviço Social na rede pública de educação básica.
Diante do cenário, o Conselho Federal de Psicologia (CFP), conjuntamente com o Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), a Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (ABRAPEE), a Associação Brasileira de Ensino de Psicologia (ABEP), a Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social (ABEPSS) e a Federação Nacional dos Psicólogos (FENAPSI) – bem como a sociedade como um todo, implicada nos retrocessos iminentes – convocam a uma mobilização junto as(os) parlamentares de seu estado para tentar barrar tais retrocessos, enviando mensagens e solicitando que a discussão seja feita de forma plural, inclusiva e responsável.


Saiba mais em: https://site.cfp.org.br/defesadalei13935/

COMPARTILHE A MOBILIZAÇÃO NAS REDES SOCIAIS

Utilize #DefesaDaLei13935 #Lei13935noFundeb #Lei13935noFundebÉLegal

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

MOÇÃO DE APOIO EM FAVOR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 13.935/2019*

Nos meses de setembro e outubro de 2021 a ABRAPEE esteve presente nas atividades da 40a Reunião Anual da Anped @anpednacional
Entre tantos encontros e reencontros, discussões em defesa das políticas públicas e da educação, defendemos também a implementação da Lei 13.935/2019 por meio da moção aprovada na Assembleia Geral da Anped.
Em tempos de tantos retrocessos, vale reafirmar nossa defesa pela escola pública, gratuita, inclusiva, laica, de qualidade para todas as pessoas.
Leia a moção na íntegra no link: https://abrapee.files.wordpress.com/2021/10/anped_mocao_lei13935-1.pdf

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

COMENDA ESPECIAL DO COMITÊ ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DO PIAUÍ PELOS SEUS 15 ANOS

No próximo dia 21 de outubro o Prof. Fauston Negreiros (2º Secretário na Gestão 2020-2022 da ABRAPEE) receberá a “Comenda Especial” do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Piauí pelos serviços prestados à comunidade.
Em nome de toda a diretoria, parabenizamos o Prof. Fauston! Estamos muito orgulhosas e felizes!

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

8 DE OUTUBRO DE 2021 DIA DA PSICOLOGIA LATINO-AMERICANA

A União Latino-Americana de Entidades de Psicologia – ULAPSI comemora um novo dia 8 de outubro, dia da psicologia latino-americana. Em 8 de outubro, porém de 1967, Ernesto “Che” Guevara morreu, em La Hilguera Bolívia, nas mãos das forças fascistas do Estado boliviano de onde tentou libertar o povo da Bolívia. Não é coincidência que se tenha escolhido esta data; não é coincidência que as entidades de psicologia da América Latina, comprometidas com seus povos, com suas sociedades, com os habitantes mais vulneráveis e marginalizados, reunidos na Assembleia Geral em 2006, tomaram essa data simbólica como elemento de identidade, de união, de permanente luta.
É um dia de reflexão, e a isso lhes convidamos; é um dia de avaliar as mudanças, avanços e retrocessos que tivemos em nossa ciência e profissão nesses anos, caminhando ao lado dos povos, gerando história, caminhos, ideias, presenças e também ausências. É um dia de levantar bandeiras de igualdade, de solidariedade, de equidade, de justiça, de compromisso, de luta pela liberdade definitiva da terra, da Pachamama do nosso continente.
A psicologia não pode nem quer ficar de fora dessa realidade; o compromisso social requer se ver refletido em cada ato, em cada ação, em cada intervenção, em cada encontro com os estudantes, com os colegas, mas sobretudo com o povo, com a finalidade de que o pensamento de Che não morra, não perca o sentido que ele mesmo deu. Ele nos deixou o mandato …”de que o dever de todo revolucionário é fazer revolução”… E aqui estamos, fortes, vibrantes, lutando contra um novo ataque neoliberal e fascista em muitos de nossos países. Porém não nos silenciarão, não nos deterão, não nos converterão em sujeitos frios, insensíveis, distantes da realidade social.
Nós psicólogas e psicólogos da América Latina estamos convocados a seguir contribuindo para a construção de uma sociedade, de uma fortaleza muito mais forte, muito mais resistente às tentativas de uma nova colonização, muito mais sofisticada, muito mais massiva, utilizando as redes sociais, a tecnologia, as necessidades reais e aquelas geradas em nossos povos por interesses mesquinhos. Devemos desmascarar os novos governantes que seguem enchendo seus bolsos às custas do trabalho e da vida cada vez mais indigna das cidadãs e cidadãos da nossa América Latina.
Nosso compromisso é com a história, com os povos originários, com os sem-teto, com as meninas e meninos que trabalham horas e horas sem poder viver sua infância; nosso compromisso é com a defesa dos direitos humanos, com uma democracia capaz de promover cidadania e dignidade. Nosso compromisso é defender a alegria, a vida, os desenvolvimentos alcançados na saúde, na educação, na alimentação, na consciência. E sim, nesta defesa, novamente sentimos as sábias e calorosas palavras de Che, …”deixe-me dizer-lhes, com o risco de parecer ridículo, que o revolucionário verdadeiro está guiado por grandes sentimentos de amor”… O Amor à terra, à seus habitantes, à educação, à justiça, enfim, à liberdade. Saúde América Latina, Saúde ULAPSI. Saúde Psicologia comprometida com seu povo latino-americano.
“Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.”

Eduardo Galeano

América Latina, outubro de 2021.
União Latino-americana de Entidades de Psicologia (ULAPSI)
Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Ciclo de oficinas – Curso de Formação Continuada em Psicologia Escolar

É com imenso prazer que a Representação Paulista da ABRAPEE em parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie convida a todos/as para participarem do “Ciclo de oficinas – Curso de Formação Continuada em Psicologia Escolar”.

Público-alvo: Estagiários/as e psicólogos/as do estado de São Paulo.

Informações e inscrições: bit.ly/abrapeesaopaulo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Nota de Elucidação da ABRAPEE

16 de setembro de 2021

Prezadas e Prezados colegas da Abrapee,

Chegou ao conhecimento desta Associação o envio de um e-mail aos autores dos trabalhos completos publicados em Anais do XIII CONPE – “PELA DEMOCRATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO”. A editora se apresenta informando que está organizando um e-book e convida os autores para comporem a coletânea!

Tendo em vista esta informação, a Associação Brasileira de Psicologia Escolar vem a público manifestar que não possui qualquer vínculo de nenhuma espécie com esta editora, tampouco com a obra pretendida!

ABRAPEE Gestão 2020-2022

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

“Discussões sobre a implantação da Lei 13935/19 e a prestação do serviço de Psicologia nas redes públicas de educação básica” – 73ª Reunião Anual da SBPC

A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) realizará a 73ª Reunião Anual inteiramente de forma virtual, entre os 18 e 24 de julho de 2021.

A ABRAPEE tem o prazer de apresentar a Mesa Redonda intitulada “Discussões sobre a implantação da Lei 13935/19 e a prestação do serviço de Psicologia nas redes públicas de educação básica” .

A atividade será ministrada pelas professoras Marilda Facci, Silvia Cintra e Tatiana Platzer.

Nosso encontro acontecerá na próxima terça-feira, 20/07, às 14h (Horário de Brasília), no canal do Youtube da ABRAPEE : https://www.youtube.com/watch?v=qH9bd4i5gnA (ative o sininho para ser notificado do início do evento!)

A 73ª Reunião Anual da SBPC será gratuita e aberta a todes. Veja a programação completa em: https://ra.sbpcnet.org.br/…/2021/07/73RA_programa_site.pdf

Participe! #SBPC2021

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

MANIFESTO POR VIDAS DESPATOLOGIZADAS – DIREITO ÀS DIFERENÇAS, COMBATE ÀS DESIGUALDADES.

No campo dos enfrentamentos que estamos vivendo hoje, no contexto das políticas públicas que precarizam nossas vidas, precisamos conversar sobre um tema fundamental para toda a sociedade e, em especial, para profissionais da saúde, educação e assistência social: a importância do direito à diferença e, consequentemente, do respeito a este direito. O nosso e o de todos. 

Diferenças, singularidades não devem ser compreendidas a partir de rótulos ou preconceitos, da busca de defeitos, o que falta ou excede, na certeza de que haveria um problema, uma anormalidade a ser revelada. Diferenças são expressões da singularidade do sujeito, de sua vida. Necessário destacar que diferenças não são o mesmo que desigualdades; ambas são histórica, política e socialmente construídas, porém as desigualdades resultam da produção política de sistemas de hierarquização de diferenças e devem ser enfrentadas. 

A partir dessa concepção, precisamos cuidar de nossos discursos, de nossa praxis. A leitura das diferenças em uma chave de compreensão marcada por palavras como transtornos, distúrbios e, até mesmo, dificuldades, traz, em suas raízes estigmatização, patologização, medicalização e mesmo, judicialização. Os processos de patologização e medicalização da vida deslocam problemas coletivos, decorrentes dos modos históricos de organização política, social, econômica da sociedade, problemas inerentes a estar vivo na contemporaneidade, para a esfera do individual, do inato. O que é coletivamente determinado é transformado em individual, o que é socialmente construído é reapresentado como se fora biológico. Escamoteiam-se assim, as instâncias de poder que geram e mantêm tais problemas, o sujeito é capturado nessa teia e passa a introjetar a concepção de si como anormal, doente, transtornado. E porque esses processos estão intrincados no tecido social e estamos todas e todos imersos nesse tecido, torna-se fundamental discutir, conscientizar e sensibilizar a sociedade, afetando cada vez mais pessoas, para que formas de identificação e de enfrentamento sejam construídas e utilizadas. Hoje, processos de patologização ainda são hegemônicos e se infiltram nos modos de viver da maioria das pessoas, inclusive de profissionais que, em tese, pela formação e campo de atuação, deveriam estar empenhados na produção de outras formas de compreender e acolher as diferenças. Isto coloca responsabilidades a todos os conselhos de classe e entidades afins, na tarefa de construir estratégias que abranjam todos os profissionais da saúde, educação e assistência social.

Também não esqueçamos que naturalização implica despolitização, e por consequência, desconsideração de direitos, uma conquista da humanidade, pela qual milhões morreram e continuam morrendo. O que queremos destacar é que os processos de patologização acontecem na articulação da naturalização da vida com a desconstrução de direitos e a negação do sujeito datado e situado, como bem disse Paulo Freire. Desprovido de sua condição de sujeito, o indivíduo é reduzido a corpo objetificado, pela negação da historicidade que o constitui. 

É fundamental reiterar que, mesmo quando há uma condição de doença ou de sofrimento, com diagnóstico produzido a partir de princípios éticos e teórico-práticos fundamentados, o sujeito é sempre mais que sua condição E a atuação profissional nessas situações está compromissada com a leitura dos contextos de produção de cuidado e ampliação de vida.

A escola, a família, os espaços de recreação, de trabalho e convivência são campos para o diálogo, brechas para entrarmos na reflexão sobre como exercer plenamente esse direito a diferir (todos somos singulares!), e o direito a não ser diminuído.  Valorizar e respeitar diferenças, não naturalizar desigualdades. Não é natural não ter comida na mesa todos os dias; não é natural estudar numa escola caindo aos pedaços; não é natural não ter água potável encanada; não é natural não ser respeitado em sua própria orientação sexual ou expressão de gênero; não é natural ter acesso negado pelo pertencimento étnico ou pela condição de deficiência; não é natural ser violentado; não é natural…

Negar o direito à diferença e naturalizar a desigualdade são substrato para concepções de saúde mental – melhor dizendo, concepções de doença mental – que transformam processos decorrentes do viver um determinado espaço-tempo em doença, em distúrbio, em transtorno, com a criação e lançamento de novas categorias nosológicas nem sempre cientificamente embasadas; eis um bom indicador de como essa descontextualização da vida vem avançando muito rapidamente. O aumento de diagnósticos de transtornos mentais em plena pandemia é uma das maiores evidências dessa concepção que descontextualiza o sofrimento psíquico, ao negar que este sofrimento, que atinge a todas e todos que têm consciência do estado de desamparo e desesperança que vivemos, que nos assola, tem determinantes sociais conhecidas, não podendo ser distorcido e apresentado como doença de cada um de nós. Ressaltamos que isto não significa negar que muitas pessoas precisam de acesso a cuidados especializados; atender, acolher, cuidar de quem necessita é intrínseco à atuação de profissionais da saúde. Entretanto, exige respeitar, entender e agir sobre os motivos pelos quais se sofre, o que é diferente de atribuir o sofrimento a um transtorno intrínseco à própria pessoa. 

Nas construções de diferenças e desigualdades, todos somos partícipes. Aprendemos, desde cedo, que existiria um ser humano modelo, uma referência ideal a ser atingida e padrão para comparações: homem adulto, branco, cishetero, católico, casado e empregado. Crianças são percebidas em referência a esse modelo; idem adolescentes; mulheres adultas, velhos e velhas, negras, negros e indígenas, homossexuais e transexuais, todas e todos são sempre lidos a partir de um padrão que lhes é estranho, violento. Ou seja, são sempre avaliados a partir de uma inadequação, desconformidade,  desigualdade prévias. Não diferem apenas, são desiguais, pois hierarquicamente inferiores. Esta concepção  social e politicamente construída alicerça os processos de medicalização e patologização da vida.  

Se queremos que crianças e adolescentes aprendam, devemos considerar seus tempos, seus valores, seus interesses, suas formas de estar no mundo; se queremos que professoras e professores sejam valorizados, devemos reconhecer a relevância de suas lutas por melhores condições e relações de trabalho e salário, valorizando a escola como espaço de produção e apropriação do patrimônio humano; se queremos que as famílias sejam acolhidas, devemos aprender a reconhecer suas demandas e necessidades e suas múltiplas formas de se constituir e produzir cuidado; se não queremos ser julgados por racistas, machistas, misóginos, cisheterossexistas, classistas, capacitistas, precisamos  ofertar condições para que as tantas formas de se constituir humano encontrem acolhida respeitosa em nossas práticas profissionais, em nossos serviços e políticas sociais.  

Enfim, se queremos participar da construção de outros futuros, precisamos nos implicar com a necessidade de mudanças, começando por respeitar e valorizar as diferenças em todas as esferas da vida e combater as desigualdades.  Se outro futuro é necessário, outra Saúde também o é. 

ABRAPEE – Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional

ABRASME – Associação Brasileira de Saúde Mental

CRP SP – Conselho Regional de Psicologia de São Paulo

CREFONO 2 – Conselho Regional de Fonoaudiologia do Estado de São Paulo

Despatologiza – Movimento pela Despatologização da Vida

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário